11
set

Tibério, astrólogo

   Publicado por: Bira Câmara  em Astrólogos

TiberiusO imperador romano Tibério não só consultava astrólogos, como também sabia fazer e interpretar horóscopos com grande perspicácia. Teve a seu serviço Trasilo, célebre astrólogo da época. Sua mãe, como era hábito entre os antigos romanos, consultou o adivinho Escribonius, antes mesmo dele nascer, e ouviu a profecia do futuro brilhante que estava reservado ao seu filho.

Segundo Tácito e Suetônio, Trasilo teria instruído Tibério na astrologia, na época em que viveu em Rhodes. Talvez por isso este imperador tenha condenado à morte grande número de pessoas acusadas de ter tirado seu horóscopo, com receio de que tornassem públicas as honras que lhe estavam reservadas. Suetônio conta que o imperador fazia em segredo, ele mesmo, o horóscopo das pessoas mais importantes, para saber se não havia nenhum rival entre elas.

Tibério tinha fama de ser astrólogo perspicaz, como o demonstra um episódio narrado por Tácito. O imperador chamou Sérvius Galba para um colóquio e depois de o sondar sobre diversos assuntos disse-lhe, em grego: “Tu também, Galba, um dia experimentarás o império”, anunciando o poder tardio e breve de Galba, graças ao seu conhecimento da arte dos caldeus. Só não o condenou à morte porque sabia que ele alcançaria esta posição em idade avançada e, portanto, não se constituía ameaça para ele.

Tibério usava de um método sinistro para testar a competência dos astrólogos que consultava. Subia ao mais alto da sua casa que ficava no meio de rochedos, em Rohdes, onde aguardava que o seu escravo (ignorante e robusto) o conduzisse por uma vereda afastada e escarpada. Ali tinha lugar a consulta; se Tibério não ficasse satisfeito e desconfiasse de ignorância ou desonestidade do astrólogo, ordenava ao escravo que o precipitasse do penhasco ao mar que se estendia abaixo. Trasilo também foi conduzido a este mesmo rochedo e causou profunda impressão em Tibério. Além de prognosticar-lhe o império, mostrou-lhe o futuro com muita penetração. Então Tibério perguntou-lhe se ele também tinha levantado seu próprio horóscopo e sabia se aquele ano e o dia presente lhe pareciam favoráveis ou funestos. Trasilo, depois de ter calculado a posição dos astros e os seus aspectos, ficou de início embaraçado e depois teve medo. E, quanto mais prosseguia o exame, mais se perturbava, apanhado de espanto e de terror; finalmente reconheceu que se encontrava num momento crítico e próximo de um perigo mortal. Então o futuro imperador tomou-o nos braços, felicitando-o por ter predito o perigo que corria e de escapar são e salvo. Desde então, passou a considerar tudo o que ele lhe falava como oráculo, e admitiu-o entre seus amigos mais íntimos…

Nascido em 42 a.C., Tibério reinou de 14 a 37 e ficou célebre pela extrema desconfiança e pelas maiores crueldades. Foi um dos maiores generais de Roma e, nas suas campanhas na Panônia, Ilíria, Récia e Germânia, assentou a fronteira norte do Império. Contudo, Tibério chegou a ser recordado como um obscuro, recluso e sombrio governante, que realmente nunca quis ser imperador; Plínio, o Velho chamou-o de “tristissimus hominum” (“o mais triste dos homens”). Após a morte de seu filho, Júlio César Druso em 23, a qualidade do seu governo declinou e o seu reinado terminou em terror. Em 26 Tibério auto-exilou-se em Capri e deixou a administração nas mãos dos seus dois prefeitos pretorianos Lúcio Élio Sejano e Quinto Névio Cordo Sutório Macro. Tibério adotou o seu neto Calígula para que o sucedesse no trono imperial.

S6300564

Na velhice resolveu viver longe de Roma, segundo alguns para não expor o seu lastimável estado físico, segundo outros para entregar-se em segredo às suas obscenidades. Quando saiu de Roma, os astrólogos prognosticaram que uma conjunção de estrelas anunciava que jamais voltaria. Esta profecia provocou a morte de muita gente que ousou afirmar que sua vida estava perto do fim. Mas de certa forma a predição se cumpriu, pois embora tenha vivido ainda muitos anos, Tibério não voltou a pisar em Roma, embora chegasse a passear pelas vizinhanças por terra e por mar, chegando muitas vezes até aos muros da cidade.
Sob o seu reinado o Senado baniu de Roma os mágicos e os astrólogos. Um deles, chamado Pituanius, foi jogado da rocha Tarpéia, no Capitólio; outro, Martius, foi conduzido para fora da porta Esquilina e, depois que soaram as trombetas, executado conforme o costume antigo: amarrado a um poste, espancado com varas e depois decapitado.

Trasilo

O nome completo de Trasilo era Tiberius Claudius Trasilo (século I a.C.-36 d.C.) e, além de astrólogo, foi também gramático da língua grega. Supõe-se que ele era um egípcio de língua grega, oriundo de Mende (Egito), enquanto outras fontes alegam que seria originário da Alexandria, mas não há provas que confirmem esta informação.

Também é possível que Tibério Cláudio Trasilo, o astrólogo do imperador Tibério citado nos Anais de Tácito e nas Vidas dos Césares de Suetônio, seja outra pessoa que não o gramático de Mende. Enquanto Trasilo de Mende foi um gramático alexandrino, editor das obras de Platão e de Demócrito, Tiberius Claudius Trasilo é mais conhecido como o astrólogo pessoal de Tibério.

Trasilo conheceu o futuro imperador, ainda não designado herdeiro de Augusto, na ilha grega de Rodes, onde ele estava no exílio. Aqui, Trasilo previu que ele logo seria chamado a Roma, para ser formalmente nomeado herdeiro do trono, e depois ficou ao seu lado durante os anos de reinado (14-37 d.C.). Também obteve a cidadania romana para si e sua esposa, Aka II de Commagene (que era, provavelmente, descendente do rei Antíoco Theos de Commagene, e então princesa).

A filha de Tibério, Claudia Livilla, consultou-o quando teve um caso com o prefeito pretoriano Lucius Aelius Sejanus. Foi Trasilo que convenceu o imperador a deixar Roma para morar em Capri, apoiando clandestinamente Sejanus. Foi então que o genro de Trasilo, Nevio Sutorius Macro, obedeceu à ordem de liquidar o prefeito (em 31 d.C.), embora não esteja claro se Trasilo tomou parte nisso. Assim, permaneceu com Tibério em Capri, aconselhando-o na escolha entre os vários pretendentes à sucessão, e, em particular apoiando Calígula, sobrinho do imperador, com quem sua filha Eunia teve um relacionamento conturbado.

Ao mentir, quando previu a Tibério uma vida longa, salvou assim a vida de muitos nobres romanos suspeitos, erroneamente, de conspirar contra o imperador, que confiava totalmente nas suas previsões. Tibério estava confiante de que escaparia a qualquer conspiração, e, portanto, não tentou enfrentá-los. Mas o astrólogo, protegido do imperador, não viveu para ver concretizada sua previsão sobre a sucessão de Calígula (37 dC.).

Trasilo escreveu um tratado astrológico perdido, mas parafraseado em fontes posteriores, e que empresta conceitos tomados de Nechepso, de Petosiris e de Hermes Trimegisto, supostamente as primeiras fontes da astrologia. É citado por Vétius Valens, Porfírio e Heféstion.

Com Aka II, Trasilo teve dois filhos: um filho, Tiberius Claudius Balbillo, que herdou seu conhecimento da astrologia e exerceu o cargo de astrólogo dos sucessores de Tibério, servindo a Nero (54-68) e a Vespasiano (69-79), e uma filha, Eunia, que se casou com o prefeito pretoriano Macro Naevius Sutorius. Através de seu filho, se tornou o avô de Cláudia Capitolina, futura esposa do príncipe grego Gaius Julius Arquelau Antíoco Epífanes, herdeiro do trono de Commagene. Tiveram como filhos (netos de Trasilo) o príncipe Gaius Julius Antíoco Epífanes Philopappos e a princesa Julia Balbilla.

Bibliografia:
A. Bouché-Leclercq, L´Astrologie dans le monde romain, Paris, 1897
Suetônio, A Vida dos Doze Cézares, Athena Editora, 1937
Tácito, Anais, W. M. Jackson Inc. Ed., 1977

Não há textos relacionados.

Este texto foi postado em sexta-feira, setembro 11th, 2009 às 7:24 pm e foi arquivado em Astrólogos . Você pode acompanhar os comentários deste texto através do nosso feed RSS 2.0. Você pode deixar um comentário ou trackback de seu próprio site.

4 comments so far

 1 

Apreciei muito, além de ter aprendido. Grato.

setembro 12th, 2009 às 7:40 am
 2 

Prezado Antonio,

Fico sempre lisongeado com seus amáveis comentários, que servem de incentivo para dar continuidade ao meu trabalho de garimpeiro da história da astrologia.
Um grande abraço!
Bira Câmara

setembro 12th, 2009 às 2:55 pm
 3 

É com profunda satisfação e admiração que venho aqui postar o meu comentário acerca do seu site sobre a Astrologia feita e contada de modo sério e profundo através da história. Parabéns, que continue, pois, assim, poderemos aprender mais e mais.

abril 22nd, 2011 às 1:06 am
 4 

Muito obrigado, Ivan! Palavras como as suas são um valioso incentivo para o meu trabalho.

abril 25th, 2011 às 10:06 pm

Deixe um comentário

Nome (*)
e-mail (Não será publicado) (*)
Site/URL
Comentário