Sirius, a estrela dos reis

alexandrastrologos-web
Alexandre consulta os seus astrólogos sobre um eclipse do sol, depois da batalha de Arbela. (Extraído da obra “Livres des Fais d’Alexandre le Grant”, de Curtius Rufus Quintus; impressa entre 1468 e 1475. Fonte: British Library Images Online)

Quando Alexandre o Grande conquistou o Egito, depois de um assédio de seis meses ao porto de Tiro, a tomada da cidade coincidiu com a data astronômica da ascensão da estrela Sirius, ausente do céu durante um longo período. Ao reaparecer no horizonte oriental, Alexandre interpretou a efeméride como um anúncio de que em breve usaria a tiara dos Faraós. Por causa disso, ele modificou o calendário grego para que o momento do nascer de Sirius marcasse o começo do ano novo como era feito no Egito.

Alexandre foi retratado em inúmeras esculturas e pinturas com uma estrela brilhando sobre a cabeça, um evidente símbolo astrológico de Sirius, o astro que preside o destino dos reis segundo os egípcios e caldeus, que a chamavam de Sarrus, o rei ou o “senhor dos céus”.

Os antigos consideravam Sirius o Sol central da Via Láctea e o poeta Manilius referiu-se a esta estrela como “um Sol distante para iluminar corpos distantes”. Ela é o centro de gravidade de nossa constelação, e considerada por muitos astrólogos na interpretação do mapa como “o Sol do Sol”; e dado que o Sol no mapa significa o Ego, o centro de identidade pessoal, Sirius significaria o Super Ego, ou o centro mais alto da identidade pessoal. Por isso há astrólogos que acreditam que a conjunção do Sol com Sirius no mapa dos Estados Unidos é responsável pela sua inclinação para se tornar o “inspetor” dos negócios mundiais…

De acordo com a astrologia, prosperidade e fama fazem parte do feliz destino de todo aquele que nasce sob Sirius e o seu companheiro o Cão Procyon (alfa Canis Minor).

Diz-se que esta constelação dá boas qualidades, espírito caridoso e um coração fiel, mas paixões violentas e perigosas. Quem nasce sob sua influência corre perigo na escuridão e na noite. Canis Major é associada pelos cabalistas à carta hebréia Tzaddi e à 18º Lâmina do Tarô, A Lua. De acordo com Ptolomeu, Sirius tem a natureza de Júpiter e de Marte. Dá honra, renome, riqueza, ardor, fidelidade, devoção, paixão e ressentimento, e faz de seus nativos guardas, curadores e guardiães. Mas, também expõe ao perigo de mordidas de cachorro. Bem aspectada, promete fama, honras e riquezas. No Ascendente e combinada com Marte, Sirius pode ser bastante perigosa e conferir grande ambição, o que resulta em perigos e ameaças à vida do nativo. De acordo com a tradição, Sirius dará uma morte famosa com honras além do sepulcro, se posicionada na 8ª casa. Em bom aspecto com Marte e Júpiter e perto do MC, promete grande fortuna, muita sorte em empreendimentos comerciais ou assuntos governamentais. Nesta posição é excelente para a carreira militar, para advogados e criados civis. Sirius conjunta ao Sol e bem posicionada é encontrada no mapa de numerosas personalidades importantes e famosas. Quando está em ascensão torna possível a proteção de pessoas influentes, mas também poderá formar espíritos desenfreados e corações impetuosos, além de dar a seus filhos acessos de raiva.

É considerada um arauto da fama pela Enciclopédia Larousse de Astrologia.

Sirius, morada dos deuses

Sirius é a maior e mais brilhante estrela nos céus, uma estrela binária, branca e amarela, situada na boca do cão maior (Canis Major). Na mitologia, Sirius tinha um papel importante e o simbolismo de Canis Major e seu brilho remonta pelo menos ao 3º milênio a. C.

Na astrologia e na poesia antigas há muitas referências às influências maléficas de Sirius: seu brilho era considerado sinal de augúrio maléfico para o homem mortal e também prenúncio de febres, pestilências e morte. “Quando sobe, a estrela do cão da constelação ardente traz seca e doenças mortais, e entristece o céu com sua luz desfavorável…” Mas esta fama odiosa da Estrela do Cão pode ter surgido por causa da péssima reputação do cachorro no Oriente, onde é visto como acirrado comedor de carniça e não tem o apreço que os cães gozam atualmente nos lares do Ocidente.

Entre os egípcios, Sirius tinha uma importância de primeira grandeza: moradia do deus Horus e símbolo do Grande Fogo Central para o nosso Sol. Também a chamavam de Estrela de Isis ou a Estrela do Nilo. Há 5.000 anos atrás, por volta de 25 de junho, Sirius se levantava ao amanhecer antes do Sol, e coincidia com o início da cheia do Rio Nilo em torno do qual toda a vida egípcia dependia, para a fertilidade de suas terras. Foram os sacerdotes egípcios, organizadores do calendário, que observaram a primeira ascensão de Sirius. No antigo templo de Isis-Hathor em Denderah, havia uma bela estátua de Isis, erguida no fim de um corredor flanqueado por grandes colunas. A estátua era orientada para o levante de Sirius e os sacerdotes colocavam uma jóia na fronte da deusa, de forma que a luz da estrela se refletisse na pedra preciosa naquela ocasião. Então, anunciavam ao povo que o Ano Novo tinha começado. Este levante é mencionado em muitas inscrições do templo, onde a estrela era identificada com a alma de Isis. Uma destas inscrições proclama: “Sua Majestade Isis brilha dentro do templo no Dia de Ano Novo, e mistura a sua luz no horizonte com luz do seu pai Ra.” (Ra era o deus do sol egípcio.)

sirius-2-web1
Uma das aberturas da pirâmide era orientada para que a luz de Sirius penetrasse na câmara central.

Em 3.285 a.C. Sirius substituiu Draconis como a estrela que assinalava o Solstício de Verão e o começo do Ano Novo egípcio. A estrela era especialmente usada como um ponto de orientação em Tebas e identificada com Isis. O Templo de Isis-Hathor, construído em 700 a.C. é orientado para Sirius pela abertura norte da passagem central. Na parede do templo há um mapa do zodíaco que mostra a estrela. O período de tempo em que Sirius desaparece do céu é representado na mitologia egípcia pelo desaparecimento da deusa Ísis, que se esconde até o nascimento do seu filho, Horus, quando então volta a aparecer.

Este evento astronômico, chamado de ascensão heliacal de Sirius, acontecia no mês de Thoth, perto do solstício de Verão e na época da inundação do Nilo.  Por isso, Sothis  –  Sirius Thoth – era o Deus do Tempo, entre os egípcios.

Estrela do Cão

O período de 3 de julho a 11 de agosto, quando a Estrela do Cão, Sirius, se sirius-3-weblevantava no oriente em conjunção com o Sol, era chamado de “dias de cão”. Acreditava-se que a combinação do astro mais luminoso do dia (o Sol) com a estrela mais luminosa da noite (Sirius) era responsável pelo calor extremo que é experimentado durante o meio do verão. Daí o termo canícula, para designar dias de muito calor.

Entre os gregos a estrela tinha péssima fama. Segundo Hesíodo, “quando ela aparece no crepúsculo matutino a pele do homem fica abrasada pelo calor excessivo e, pelo mesmo motivo, provoca a raiva nos cães”. Essa raiva acabou sendo assimilada ao astro que produzia tão terríveis efeitos, ao próprio cão raivoso, e em conseqüência o nome deste animal ficou ligado ao da constelação. Para conjurar os males da canícula, os gregos invocavam o herói Aristeu.

A região onde se pedia com mais insistência a proteção divina contra as terríveis influências de Sirius era nas ilhas Cíclades, por causa da peste e da fome que faziam grandes estragos. Foi ali que Aristeu ofereceu sacrifícios a Sirius, no alto das montanhas, e levantou um altar a Júpiter. Piedosamente, o deus fez soprar no arquipélago um zéfiro restaurador durante 40 dias. A partir de então, os sacerdotes de Ceos ofereciam anualmente sacrifícios expiatórios antes da aparição da constelação do Cão. As moedas desta ilha traziam a cabeça de Aristeu e a imagem de Sirius na figura do cão coroa-do de raios, em lembrança daqueles ardores caniculares.

A palavra árabe Al Shi’ra se assemelha ao nome grego (Seírios), ao latino (Sirius) e egípcio (Sothis) da estrela, sugerindo uma origem comum com o Sânskrito, onde o nome Surya, o Deus Sol, significa simplesmente “o brilho único”.

Durante 35 dias antes e 35 dias depois da conjunção com o Sol, no dia 4 de julho, a estrela Sirius era eclipsada pelo clarão do Sol. Os antigos egípcios se recusavam a enterrar seus mortos durante estes 70 dias em que Sirius permanecia escondida, porque acreditavam que a estrela era o portal para a vida após a morte e que ficava fechado durante este período do ano.

O cão Sirius é um dos guardas do Céu, fixado na ponte da Via Láctea e guardando o abismo da encarnação. A estrela do Cão é um símbolo de poder, força e firmeza de propósito, e exemplifica aquele que obteve sucesso atravessando a mais baixa e a mais alta consciência. Os chineses chamavam este lugar como a ponte entre o céu e o inferno, a ponte do juiz, onde as experiências da personalidade são avaliadas.

A associação de Sirius com um cachorro celestial era comum na antiguidade clássica. Até mesmo na China antiga a estrela foi reconhecida como um lobo divino. Na antiga Caldéia (atualmente Iraque) a estrela ficou conhecida como a “Estrela do Cão que Conduz”, ou simplesmente a “Estrela do Cachorro” e tanto na Assíria como na Akkadia, o “Cachorro do Sol”.

Fontes:
Enciclopédia Luso Brasileira de Cultura, Ed. Verbo, Lisboa, 1984
Encyclopaedia Universalis, Éditeur À Paris, 1990
Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira, Ed. Enc. Ltda.
Jean-Michel Angebert, “Os Filhos Místicos do Sol”, Difel, 1976
Marcus Manillius, “Os Astrológicos, ou a Ciência Sagrada dos Céu”, Ed. Artenova S.A., 1974
Mircéa Eliade, Hist. das Crenças e Idéias Religiosas, Tomo II, vol. 2.
Ronaldo Rogério de Freitas Mourão, “O Livro de Ouro do Universo”, Ediouro, 6a. Ed.
Rudolf Thiel, “E a Luz se Fez”, Ed. Melhoramentos
Ruth Guimarães, “Dicionário de Mitologia Grega”, Cultrix, 1995

8 comentários em “Sirius, a estrela dos reis

  • Pingback: jar.io

  • 28 de setembro de 2009 em 11:42 am
    Permalink

    Muito esclarecedor este texto, enriqueceu ainda mais a bagagem necessária para compreensão da dimensão sagrada da Astrologia, método pouco em voga em nosso tempo.

  • 23 de novembro de 2009 em 7:58 am
    Permalink

    Eu salvo a minha estrela guia Alfa Centauri.

  • 25 de maio de 2010 em 4:13 pm
    Permalink

    adoro sirius!!!!a estrela do cao maior!!!!que o sol central da via lactea continue a brilhar!!!

  • 15 de julho de 2010 em 3:47 am
    Permalink

    e sobre a ordem…..algo a dizer?

  • 15 de julho de 2010 em 6:26 pm
    Permalink

    Seja mais específico…
    Abr.
    Bira Câmara

  • Pingback: SIRIUS | Baralho Cigano | Tarot | Significado | Estudos

  • 25 de fevereiro de 2015 em 9:45 pm
    Permalink

    eu tenho sol conjunto a sirius na orbe de 2 graus, ambos na casa 9, casa de espiritualidade, é incrivel a bipolaridade desta e estrela, em tese acredito no poder espiritual dela é ser o sol central da via lactea (: tenho uma sugestão de escrever um texto sobre spica, desde já agradeço pelas as informações, ótimo blog!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.