OANNES, A ORIGEM ANEDÓTICA DA ASTROLOGIA

A origem da astrologia remonta aos primórdios da humanidade. Segundo Berósis, o sacerdote caldeu que a introduziu na Grécia no século III A.C., ela foi transmitida aos homens por um ser fantástico, metade peixe e metade homem, que emergiu do oceano e ensinou tudo o que é humano ao homo sapiens, há mais de 5.000 anos atrás. De acordo com esta lenda, Oannes transmitiu aos sumerianos as letras, as artes e as ciências. Isso aconteceu na Babilônia, naquela região onde a civilização começou e que atualmente compreende o deserto do Kuwait, o Irã e o Iraque, exatamente onde a tradição situa também a localização geográfica do bíblico jardim do Éden.

O relato abaixo foi extraído da história da Mesopotâmia escrita por Berósis, cujo trabalho só sobreviveu em fragmentos registrados por historiadores gregos mais recentes:

“Na Babilônia havia (nesta época) um grande contingente de povos de várias nações, que habitavam a Caldéia e viviam sem lei como as bestas do campo. No primeiro ano apareceu por lá, naquela parte do mar da Eritréia que margeia a Babilônia, um animal destituído de razão [provavelmente Berósis quis dizer que Oannes estava temporariamente inconsciente ou desorientado], chamado Oannes, cujo corpo inteiro (de acordo com o relato do historiador grego Apolodoro) era como de um peixe, e sob a cabeça do peixe tinha outra cabeça, com pés também em baixo, semelhante aos de um um homem, acrescidos ao rabo do peixe. A sua voz e o seu idioma também eram articulados e humanos, e uma representação de sua figura em baixo relevo foi preservada até hoje.

“Este Ser passava o dia entre os homens; mas não aceitava nenhum alimento em sua companhia; e iniciou-os na escrita, nas ciências e em todas as artes. Ensinou-os a construir cidades, fundar templos, estabelecer leis, e explicou-lhes os fundamentos do conhecimento geométrico. Mostrou-lhes também como distinguir as sementes da terra e como colher frutos; em suma, instruiu-os em tudo que pudesse suavizar-lhes os costumes e humanizar suas vidas. Desde aquele tempo, nenhuma matéria foi acrescentada como melhoria às suas instruções. E quando o sol se punha, este Ser Oannes, retirava-se novamente para o mar e passava a noite nas suas profundezas, pois era anfíbio. Depois disto apareceram outros animais como Oannes.”

-Berósis, de Fragmentos Antigos de Isaac Cory

Este relato enigmático levou muitos autores a acreditar numa origem extraterrestre para Oannes, enquanto outros preferiram atribuir-lhe procedência da mítica civilização atlante. Entre os que vêem no relato de Berósis a descrição de um encontro entre visitantes extraterrestres e a primitiva civilização sumeriana estão os astrônomos Carl Sagan, o russo L. S. Shklovskii, os escritores Arthur Clark e Jacques Bergier. O time dos que acreditam que Oannes era sobrevivente de uma civilização terráquea mais antiga tem nomes como Fréderick Soddy, físico atômico ganhador do prêmio Nobel, o sábio Charles H. Hapgood, os escritores Jacques Sadoul e R. Fiebcaist.

Entre as duas hipóteses fico com a última, já que a narrativa de Berósis não fala de uma suposta origem celeste para Oannes. Aliás, não deixa de ser curioso que justamente a astrologia, a “ciência das estrelas”, tenha sido ensinada aos homens por um ser proveniente do mar!

Esta origem anedótica da civilização, e por extensão também da astrologia, tem intrigado os estudiosos. O relato de Berósis fala em outros seres fabulosos que vieram depois, todos com a mesma forma de peixe misturada a de homem; o segundo, proveniente do golfo Persa, recebeu o nome sugestivo de… Anedotus!

Seja qual for o lugar de onde surgiram estes seres, o fato é que a tradição consagra à astrologia a condição de um conhecimento “revelado” por entidades sobrenaturais descritas como semidemônios ou “animais dotados de razão”. Não seria, portanto, uma criação humana nem um ensinamento transmitido por deuses celestiais.

Se a astrologia é uma ciência revelada, proveniente de uma civilização superior e desconhecida, e foi ensinada aos homens quando ainda se encontravam num estágio de desenvolvimento intelectual e tecnológico muito primitivo, é lógico que esta ciência não foi assimilada por eles senão às custas de um rebaixamento, de uma simplificação grosseira, o mesmo que aconteceria se um professor de física pretendesse ensinar a teoria da relatividade a um selvagem que não teve nenhum contato com a civilização. Isso explicaria a aparente falta de coerência científica dos fundamentos da astrologia tradicional e os seus resultados práticos tão surpreendentes.

O mistério da astrologia permanece indecifrável até hoje; talvez este mistério seja responsável pelo fascínio que exerce sobre os homens e faça com que em pleno século XXI – a despeito do ceticismo da comunidade científica – ela continue conquistando adeptos e estudiosos no mundo inteiro.

4 comentários em “OANNES, A ORIGEM ANEDÓTICA DA ASTROLOGIA

  • 12 de outubro de 2008 em 5:14 pm
    Permalink

    —Gostei de ler estas histórias do ser ½humano e ½peixe,

  • 11 de março de 2009 em 11:30 am
    Permalink

    A INCRIVEL INTELIGENCIA DOS GOLFINHOS, QUE CHEGAM QUASE A FALAR, AS LENDAS DO BOTO COR DE ROSA, ASSOCIANDO O A ACASALAMENTO COM MULHERES. AS SEREIAS COM SEUS CÂNTICOS INDECIFRAVES….NÃO NOS DÃO MARGENS DE PENSAMENTOS QUE NOS LEVEM À OANNES? HÃ…ABRAÇOS

  • 11 de março de 2009 em 12:27 pm
    Permalink

    Muito bem lembrado!
    Abr.
    Bira Câmara

  • 8 de maio de 2011 em 6:21 pm
    Permalink

    Roso de Luna, grande Teósofo, já tinha analisado essa lenda de Oannes, em seu livro: O simbolismo das Religiões.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.