Joan Quigley, a astróloga de Reagan

reaganEm maio de 1988, a imprensa americana sur­preen­deu o mundo ao revelar que o gover­nante da nação mais poderosa do planeta di­rigia todas as suas ações baseando-se nos conselhos de uma astróloga. O autor da revelação que es­candalizou os comen­taristas políticos foi o ex-chefe de pessoal da Casa Branca, Donald Regan. Seu an­te­cessor no cargo, Michael Deaver submetia-se às inter­venções de Nancy Reagan, colaborando nas modi­ficações contantes dos horários do presidente sugeridas pela sua astróloga particular Joan Quigley. O assessor não concor­dava com isso e “considerava extrema­mente humilhan­te para a presidência recorrer a algo tão tolo como a astrologia”. A revelação provocou um frenesi na mídia, que pintou a Casa Branca como um verdadeiro hos­pício e ridicularizou o casal Reagan. Nancy ficou enfurecida com a traição do seu segredo por Donald, mas ele se defendeu dizendo que não teve outra escolha senão revelar a verdade. “Minha descrição da vida da Casa Branca durante meu período como chefe de pessoal teria feito pouco sentido se eu omitisse isto”, escreveu Regan, num comentário sobre as memórias de Nancy.

Se a notícia surpreendeu os comentaristas políticos, não deve ter surtido o mesmo efeito sobre os colunistas de Hollywood. Afinal, não era segredo o envolvimento dos Reagan com astrólogos e videntes, des­de a época em que eram estrelas de cinema nos anos 50 e se tornaram amigos íntimos do astrólogo de celebridades Carroll Righter, cujas glamurosas festas “zodiacais mensais” se tornaram uma instituição em Hollywood. Depois, conheceram a vidente Jeane Dixon, que serviu como conselheira pessoal de Nancy durante anos. Nancy sempre demonstrou mais entusiasmo pelos assuntos paranormais que o marido, mas ele nunca os desprezou. Até mesmo quando era governador e depois presidente, não escondeu sua crença nos horóscopos de jornal, suas muitas superstições e o ávido interesse pelo oculto.

Nos anos setenta, Ronald Reagan começou a fazer planos para a presidência. Segundo muitos testemunhos, Nancy era obcecada pela idéia, e talvez desejasse a Casa Branca até mesmo mais do que o marido. Para ajudar na sua trajetória até Washington, ela recorreu aos seus amigos psíquicos. Nesta época, Nancy decepcionou-se com Jeane Dixon, perdendo a fé nas suas habilidades psíquicas depois que ela predisse que Reagan não tinha chance de se eleger presidente em 1976. Nancy procurou então um novo consultor sobrenatural que pudesse lhe contar o que ela queria ouvir.

Astróloga de ricos e famosos

joan-quigleyAntes de conhecer os Reagans, Quigley desfrutava uma carreira próspera como astróloga na Califórnia. Era seletiva na sua clientela e interessava-se apenas pela leitura de mapas dos ricos e famosos, em lugar das pessoas comuns. Vangloria-se de ter calculado o horóscopo de Richard Nixon em 72, e previsto que seria reeleito naquele ano. Mas foi além, acrescentando que o seu mapa indicava uma queda horrível, nos dois anos seguintes. Quigley também afirma ter previsto Watergate e sempre cita esta predição como a primeira vez em que misturou astrologia com política.

O apresentador de televisão Merv Griffin, amigo de Nancy, contou-lhe que entrevistara Quigley no seu show de entre­vistas, e que ficara muito impressionado com suas habilidades astrológicas. Griffin marcou um breve encontro entre as duas durante a campanha de Reagan para a nomeação republicana, em 1976. Nesta ocasião, Quigley concordou com a previsão de Jeane Dixon, de que este não seria o ano de Reagan.

Como Reagan estava preparando outra campanha em 1980, a astróloga contatou Nancy novamente, dizendo que esta era a época certa para Ronald conquistar o Salão Oval. Eles discutiram as épocas “boas” e “ruins” indicadas pelo ma­pa astrológico de Reagan, e algumas sugestões de Quigley foram levadas em consideração. Se os céus prediziam ou não, o fato é que Reagan esmagou Jimmy Carter – e Nancy chegou afinal à Casa Branca.

Durante os primeiros meses depois da eleição, tiveram pouco ou nenhum contato. Nancy estava feliz e não havia mais nada a desejar da astróloga.

Mas tudo mudou depois de 30 de março de 1981; a tentativa de assassinato por John Hinckley Jr. quase abreviou o mandato de Reagan. Nancy se deu conta que a qualquer momento forças sinistras poderiam destruir seu marido e o seu precioso sonho. Impotente para impedir isto, recorreu às estrelas para ajudá-la.

Logo após o atentado, Griffin lhe disse que havia falado com Quigley sobre o mapa de Reagan e ela comentara que aquela data seria um dia terrível para ele. A astróloga poderia tê-lo advertido que sua vida corria perigo. Imediatamente, Nancy chamou Quigley para confirmar suas observações e a partir daquele momento ela deixou de ser uma conhecida casual que ajudara na campanha, para se tornar o guardião oculto indispensável do destino do presidente.

A maldição do ano zero

O atentado trouxe à lembrança a maldição do “infame” ano zero, uma fatalidade que atingia todo presidente americano desde que William Harrison morreu no cargo, depois de ser eleito em um ano que termina com zero – um padrão macabro muito discutido depois dos tiros de Hinckley. Para Nancy, a tentativa de assassinato foi uma dura lição, como se ela fosse culpada por não ter tomado medidas para proteger Ronald. Então resolveu que nunca mais o deixaria exposto a tais “perigos previsíveis”.

Como resultado, Quigley era informada da agenda do presidente e sugeria mudanças de horários e datas de seus compromissos. Nancy passava estas instruções para Michael Deaver, amigo íntimo dos Reagans que se submetia a estas ordens peculiares e mantinha sigilo sobre isso. Nancy chegou a ter linhas telefônicas privadas instaladas na Casa Branca e em Camp David, expressamente para consultar Quigley.

A influência da astróloga sobre os horários de Reagan era tão secreta, no princípio, que nem mesmo ele sabia disso. Nancy seguiu os conselhos de Quigley durante vários meses sem revelar nada a Ronald, pois receava expor-lhe o assunto. Procras­tinou a revelação até o dia em que ele a surpreendeu durante uma consulta telefônica à astróloga. Quando o presidente lhe perguntou sobre o que estavam falando, Nancy finalmente lhe contou sobre as suas intervenções na sua agenda. Reagan não se perturbou pela notícia e disse-lhe: “Se a faz se sentir bem, continue a fazer isso. Mas tenha cuidado. As pessoas podem achar um pouco estranho.”

Com efeito, a notícia causou escândalo e provocou repercussão negativa ao chegar aos jornais. Nancy tentou minimizar a participação da astróloga, mas foi inútil. Os mapas astrológicos de Quigley foram usados até mesmo para dirigir a cerimônia de juramento de Reagan.

Joan Quigley tinha um acordo com Nancy Reagan de não revelar a ninguém que prestava serviços para a Casa Branca. A astróloga manteve até o fim sua palavra, apesar do prestígio que poderia ganhar revelando o seu papel como astróloga presidencial. Mesmo depois que as notícias transpiraram, Quigley fez o possível para manter sigilo sobre este assunto. Mas, com a publicação das memórias de Nancy, viu-se compelida a responder ao que considerou ser um desrespeito grosseiro aos fatos.

“O que ela omitiu sobre o uso da astrologia e das minhas idéias encheriam um livro”. Quigley relatou todas as idéias que sugeriu a Nancy na obra intitulada O que Joan disse?. Este título se refere a uma pergunta freqüente que o presidente fazia a Nancy nas suas discussões pessoais e contradizia a sua afirmação de que ele dava pouca importância aos conselhos da astróloga.

No seu livro, Quigley revela suas frustrações com a inabilidade de Nancy em lidar com a verdade, mas o que a enfureceu mais foi a sua falta de gratidão. Nancy não lhe enviou nem mesmo um cartão de agradecimento depois da vitoriosa campanha de 1980, quando trabalhou de graça para ela. Além disso, não gostou de ter que pagar os seus serviços após a eleição de Reagan – calculado em 3.000 dólares por mês – embora Quigley achasse que era uma verdadeira pechincha..

Bibliografia:
O Que Joan Disse? Joan Quigley, Editora Siciliano, 1990
WEB:
en.wikipedia.org/wiki/Joan_Quigley
http://www.astrotheme.com/portraits/5uWF5nr5z6X4.htm

Um comentário em “Joan Quigley, a astróloga de Reagan

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.