Dürer, o pintor que anunciou a Nova Era

Albrecht Dürer (1471-1528), célebre pintor e gravador alemão, gozou do apoio e proteção de vários soberanos, como os imperadores da Alemanha Maximiliano I¹, de Habsburgo, Fernando I, e o rei da Espanha e Alemanha Carlos V², que lhe deu um título de nobreza e fez dele o seu pintor oficial. Foi amigo de personalidades nos mais diversos campos de atividade: Erasmo, Lutero, Leonardo da Vinci e Ticiano. Uma de suas obras mais conhecidas e enigmáticas é a famosa Melencolia, repleta de simbolismo alquímico e astrológico. Há quem veja nela a representação da passagem de uma era para outra, dos Peixes para o Aquário. Na gravura, datada de 1514, vê-se um cometa ao fundo por trás de um arco íris; sem dúvida o artista reproduziu o cometa que viu passar durante os anos de 1513-1514. Como o astro se inclina para a Balança, um de seus significados pela conotação de prenúncio de calamidade é o de Fim dos Tempos, pois este signo se relaciona com o Juízo final. Na parte direita da gravura, uma ampulheta sobre um Quadrante Solar representa a precipitação dos eventos do período final do ciclo terrestre, enquanto a escada de sete degraus poderia simbolizar os Sete Milênios, as idades do mundo. A palavra Melencolia, bem como a Virgem pensativa, reforça a conotação de ocaso presente na obra; o temperamento melancólico é o último dos quatro temperamentos da medicina tradicional de Hipócrates e corresponde analogicamente à Idade de Ferro. O cometa, astro de fogo, simboliza o Sol da Justiça que provocará a completa renovação do mundo ao incendiar a Terra, destruição que assinalaria também o advento de um novo ciclo terrestre, uma nova Idade de Ouro. A riqueza simbólica da obra de Dürer tornou-o uma figura lendária, e muitos acreditam que o artista teria sido um verdadeiro iniciado nos misterios alquímicos.

NOTAS:

 

  • Maximiliano I, de Habsburgo (1459-1519), subiu ao trono da Alemanha em 1493. Alquimista e adepto da astrologia, foi cognominado o Rei Branco (um título obviamente iniciático) e o Último dos Cavaleiros. É considerado também um dos pioneiros da ideia da unidade européia.
  • Carlos V (1500-1558), rei da Espanha em 1516 e imperador da Alemanha em 1519, tornou-se senhor de extensos domínios: além da Espanha e suas colônias, seu império abrangeu uma parte da Itália, Flandres, Áustria. Sonhou tornar-se senhor do mundo mas teve de lutar contra o rei da França (Francisco I), contra os luteranos na Alemanha e contra o sultão dos Otomanos. Impedido de realizar seu projeto, cansou-se do poder e abdicou em 1555, retirando-se para um mosteiro na Espanha.

 

 

FONTES:
  • Gérard de Séde, “O Estranho Mundo dos Profetas”, Hemus Ed., 1984
  • Dicionário Prático Ilustrado, Lello & Irmão Ed., Porto, 1959

Um comentário em “Dürer, o pintor que anunciou a Nova Era

  • 6 de maio de 2011 em 10:18 pm
    Permalink

    Esse simbolismo é que falta nas nossas ditas Universidades, pois a erudição há muito tempo já saiu delas. É esse tipo de ensinamento que deveria haver nas escolas, para que os alunos pudessem aprender a observar os detalhes e assim abrir portais para a busca de si mesmo.
    Parabéns pela explicação. Sou seu leitor assíduo!
    Abraços,
    Ivan de BH

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.